JOSÉ MURILLO SÁNCHEZ

 
 

Pepe Murillo Sánchez nasceu na Extremadura, na cidade de Cáceres, no ano 1964. Herdeiro de uma longa estirpe de advogados e caçadores e fiel a esta nobre tradição, dificilmente poderia ser outra cosa diferente do que é: Advogado e caçador com forte vocação. Muito cedo iniciou-se no mundo cinegético através de seu pai, o que o leva a sair ao campo e a amar a natureza desde muito pequeno. Na montaria entra em contacto com a caça maior e nela foram sempre as suas peças preferidas os javalis. Homem reservado, observador, de poucas e precisas palavras, a sua chegada à modalidade da espera era só questão de tempo.


Há já quase dez anos escrevi um livro, quase sem o pretender, essa foi a realidade.  Tratava-se de um livro sobre las esperas aos javalis e contava, na introdução, que pretendia com ele fazer uma homenagem a cada um dos porcos que me tinham feito sentir sensações e experiências inesquecíveis, escrevendo sobre eles e perpetuando no papel o que já era inapagável na minha memória: a sua recordação. Esta ideia era certa e era tão intenso esse desejo, essa determinação, que quando me apercebi já tinha mais de trezentas páginas escritas, que finalmente se transformaram, mais por inércia que por própria decisão e após lhe ter posto um título, naquele livro: “Javalíes a la espera”.

 

PEDRO MORENO MORGADO

Pedro Moreno Morgado nasceu em Cáceres, mas com profundas raízes em Torremocha, tanto pela parte paterna como pela materna. Iniciou-se na caça a uma idade muito pequena, sendo ainda criança acompanhava o pai á caça de perdizes e coelhos, ao mesmo tempo que aprendia os segredos do campo.


Funcionário público de profissão, sempre esteve apaixonado pela caça do javali, mas foi ao iniciar a prática das esperas quando a simbiose com os porcos foi total.


Agora, com este “Diario de un aguardista”, Pedro desvela-nos os segredos deste tipo de caça, percorrendo com ele serras, vales e montados, entrando nas imensas manchas de estevas, sempre atrás do astuto, esquivo e selvagem javali.

MIGUEL BULNES CERCAS

Miguel Bulnes Cercas nasceu em Ibahernando (Cáceres) em 1957. Começou a ser conhecido como narrador com o livro “Con las capas largas” editado em 2002. Desde então seis títulos mais se juntaram a esse primeiro: “Un mágico sueño a lomos de una perdiz”, 2005, “Tío Manuel y Pies Planos”, 2006, “Patán, el perro de un maqui”, 2007, “Las perdices del olivar”, 2007, “Los venados del abanico”, 2011 e “Entre dos mundos”, 2012. Todos eles têm-no formado como uma pena hábil e divertida, além de versada em todos os segredos do mundo da caça e do campo, das suas gentes e, sobre tudo, das perdizes, a sua grande paixão. Agora publica connosco a nova obra: “Patas de urraca”.

José Enrique Rovira Murillo, nasceu em 1963 em Madrid e é licenciado em Ciências Empresariais. Aficionado à investigação histórica nas fontes, publicou artigos em jornais de tiragem nacional e em revistas especializadas. Bisneto de porto-riquenho e de cubana emigrados para Espanha como consequência do desastre, “tem o 98 no sangue”. Este romance, “1898: La invasión de Puerto Rico”, é a sua opera prima e com ela inicia uma trilogia sobre a guerra com os Estados Unidos.

JOSÉ ENRIQUE ROVIRA MURILLO

JOSÉ FERNANDO MURILLO BERNÁLDEZ

José Fernando Murillo Bernáldez nasceu na cidade de Cáceres, licenciou-se em Direito pela Universidade de Salamanca e, após fazer os exames de acesso, vai viver para Madrid, onde foi nomeado conselheiro do Tribunal de Contas, cargo que desempenhou durante nove anos.

Viajou pela América, Europa e norte de África, escreveu dois livros mais: "Historia de Helena, princesa de Abisinia" e "El tiempo, que nos define…"

Juan Manuel Alonso Rabazo, nascido, criado e campeado em Cáceres a partir de um dia 20 de Abril de 1955, desenvolveu desde muito pequeno uma desmedida afición por tudo o que estivesse relacionado com o campo, a natureza e, claro, com a caça. Cobrou a sua segunda perdiz com 13 anos, com a espingarda do pai, a primeira encontrou-a uma semana antes morta, na sua primeira caçada a salto e fez comos se fosse sua, coisas da idade.

 

Empresário, casado e com uma linda filha com nome de flor da serra, praticou e pratica quase todas as modalidades de caça, tanto maior como menor, mas a que mais satisfações lhe tem dado sempre, foi a caça dos pombos com negaças, a qual iniciou quando apenas tinha 14 anos de idade, convertendo-se para ele, a partir de então, numa paixão, numa forma de vida.

JUAN MANUEL ALONSO RABAZO

José Antonio Cadena Murillo nasceu a l 17-5-1975 em Monterrubio de la Serena (Badajoz).

É o mais velho de três irmãos e faz parte de uma família de caçadores, sendo o máximo herdeiro de tal afición, partilhada também pelo mais novo da família. Desde pequeno, por motivos de trabalho, vai viver com os pais para o campo, aprendendo a amar a natureza. Mais tarde, após ver truncado o desejo de ser engenheiro e trabalhar em várias tarefas, encontra a estabilidade a trabalhar naquilo que mais gosta: o campo, voltando aos inícios. Hoje é feliz junto da família num ambiente acolhedor, desfrutando da grande paixão que sente pela caça, especialmente a caça grossa. Transformou-se num incondicional dos aguardos, que o fazem viver esses momentos que todos os caçadores procuramos.

JOSÉ ANTONIO CADENA MURILLO